top of page

O eclipse para os egípcios: A batalha de Rá e Apófis no céu!

Atualizado: 13 de dez. de 2023



No Egito Antigo um simples eclipse era capaz de causar pânico em toda a

população, isso porque eles acreditavam que o evento tratava-se de uma batalha

no céu entre o deus Rá e Apófis, a serpente do caos.

Para compreender isso melhor vou explicar como os egípcios compreendiam o movimento da nossa estrela, o Sol. Para eles o barco solar de Rá navegava pelo horizonte trazendo luz

para o dia e escuridão quando adentrava o submundo, território de seu inimigo Apófis. A

serpente, por sua vez, ficava sempre à espreita de Rá no intuito de devorá-lo para assim

jogar o mundo nas trevas eternas.

Para sorte dos egípcios, Rá saia vitorioso na maioria das vezes, exceto nos dias de eclipse,

nos quais Apófis abocanhava o barco solar de Rá transformando repentinamente o dia em

noite.

Vale lembrar que qualquer tempo fechado já era motivo de apreensão para os egípcios que

oravam diariamente pela vitória de Rá sobre Apófis, além de se reunirem em templos onde

faziam imagens da serpente em cera e as mutilavam.

Já os sacerdotes realizavam rituais anuais para combater a serpente Apófis. Num desses

rituais uma representação do animal era amaldiçoada, esfaqueada e queimada.

E porque Apófis desejava tanto combater o deus solar e propagar as trevas?

A mitologia egípcia falava de um mundo anterior a sua criação, onde existia apenas a

unicidade dentro de uma vastidão de água e escuridão, como o ventre de uma mulher.

Após a criação manifestou-se a luz, as individualidades e a dualidade; opostos como água e

terra, luz e escuridão, masculino e feminino, bom e mau, não existiam até então. Para

Apófis a dualidade não era nada bom e por conta disso ele preferia que tudo retornasse ao

seu estado anterior.

Preocupados com suas próprias individualidades, os egípcios rejeitavam a ideia da

unicidade, e por conta disso temiam tanto Apófis e suas investidas.

O interessante é como esse mito vai ao encontro da Teoria do Big Bang, de acordo com os

cientistas, antes do evento toda a energia do universo estava condensada em um único

ponto, a unicidade tão buscada por Apófis.

Na Teosofia encontramos algo parecido, o conceito do Uno Absoluto, o universo primordial

que se manifestou na dualidade de Espírito e Matéria.

No entanto, não posso deixar de considerar que o próprio sábio egípcio Hermes

Trismegisto, contemporâneo da época, possa ter exercido influência nesse mito uma vez

que uma das suas 7 leis herméticas versava sobre a dualidade do universo.

Ainda assim é impressionante como uma simples lenda possa ter raízes muito mais

complexas do que se parece, envolvendo conceitos muito avançados para a época.


E você que você achou dessa história? Deixe seu comentário aqui embaixo.


Me siga nas redes sociais

Instagram: @danusaaras

Youtube Canal: Danusa Aras


Adquira seu exemplar do livro Operação Gênesis - a origem extraterrestre do homem em

121 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page